Ana Rita Teodoro em residência no Espaço Alkantara

residência artística
23 a 28 abril
Espaço Alkantara

Ana Rita Teodoro está em residência no Espaço Alkantara a preparar o projeto Palco que faz parte de uma coleção de estudos febris dedicados a uma parte do corpo.

Um trabalho que se baseia no estudo da anatomia — na sua história, perspetiva da medicina chinesa, fisiologia e paleontologia — em cruzamentos iconográficos ou literários, assim como na experiência empírica. O delírio surge para desestabilizar e renomear as partes. Acontece pela fricção de factos e ficções, acontece pelo ataque aos órgãos e às suas funções destinadas. A ambição é a de provocar crises e revoluções que possam permitir mais liberdade na criação do corpo e assim, redesenhar as suas formas, gestos e funções, de modo a alargar o seu modo de ser e de existir. A primeira escolha é a de isolar uma parte do corpo e, friamente, colocá-la num estúdio vazio. Os estudos são focados no orifício. O orifício enquanto lugar de passagem, porque o trânsito entre o dentro e o fora proporciona o delírio. Delirar é passar-se. Sendo a anatomia a disciplina que nomeia os constituintes do corpo, “Delirar a Anatomia” é também um percurso de exploração de uma relação de simetria entre processo de escrita e processo coreográfico, entre palavra e gesto. — Ana Rita Teodoro

Ana Rita Teodoro é mestre em Dança, Criação e Performance pelo CNDC de Angers e a Paris 8 (2011/2013). Foi aluna do Fórum Dança (2002) e do Curso de Coreografia da Fundação Gulbenkian (2005). Estudou no c.e.m. com Sofia Neuparth, entre outros. Com a Bolsa de Aperfeiçoamento Artístico da Fundação Gulbenkian e com o apoio do CN D, Aide à la recherche et au patrimoine en danse, Ana Rita desenvolveu a pesquisa teórico-prática sobre os modos de transmissão da dança butoh por Yoshito Ohno (2015-2017). É artista da Associação PARASITA com João dos Santos Martins e artista associada do Centre National de la Danse, CN D (Pantin), desde 2017.

foto: Sara Santos. Apresentação de ANATOMIA: SONHO D’INTESTINO, ORIFICE PARADIS, PALCO, Culturgest, Lisboa (2016).